domingo, 2 de novembro de 2008

Nova netlabel portuguesa

Cheguei agora a casa e tinha isto no meu email:


O abutre é um plano de intervenção artística cujo objectivo é fornecer uma plataforma sólida de apoio a edições discográficas que não encaixem nos actuais formatos comerciais da indústria ou que decidam optar por uma alternativa livre e gratuita.

Sem fins lucrativos, as edições serão disponibilizadas em formato digital (com preocupações em relação à qualidade do áudio/ compressão), sendo as músicas acompanhadas pelo artwork em ficheiro, podendo o ouvinte montar o CD em casa – consumando assim a materialização do lançamento – ou manter a formatação digital. O download livre democratiza e estimula o acesso – de forma legal – da comunidade à arte contemporânea e alternativa mas não destitui os criadores do seu direito a serem recompensados pelo seu trabalho, uma vez que toda esta promoção e exposição darão frutos noutros sentidos.

O abutre voa voraz e selecciona cuidadosamente cada lançamento, tendo – também – como objectivo complementar a fracção musical com um design gráfico inventivo e criativo que transmute cada disco numa peça artística única. Enquanto comunidade, a netlabel usará todos os mecanismos possíveis para promover os seus artistas e discos mas, no final de contas, todos estarão unidos numa promoção conjunta e globalizada, abandonando, muitos músicos, o penoso trilho solitário.

A ausência de compromissos empresariais ou objectivos comerciais liberta os criadores de qualquer tipo de pressão e derruba todas as barreiras criativas ou de fusão/ colaboração. Abutre, porque se alimenta de cadáveres: criações, muitas vezes, consideradas defuntas (muito elogiosamente, paradoxalmente) pela indústria mas que aqui são ressuscitadas e amplificadas para todos que o desejem sentir.


Este é o manifesto da netlabel Abutre, e esta é a primeira edição da nova netlabel nacional:

O primeiro lançamento já se encontra disponível para download gratuito. “The universe is just part of the labyrinth” é o primeiro e único registo do projecto Universe Denied, uma manta de retalhos totalmente programada em MIDI – há dez anos atrás – que assenta numa base sólida de Prog Metal(!) com incursões improváveis e psicadélicas através de batidas electrónicas, ambientes chill out/ jazzísticos e melodias e sonoridades infantis. Uma viagem surreal e sintética a um mundo único onde a máquina também perde a cabeça. É também um testemunho da evolução da tecnologia áudio na última década e do poder da imaginação.

Download (.zip)

3 comentários:

BrainDance disse...

Não é de Coimbra? É convidá-lo(s) para o BPF...

Ogata T3tsuo disse...

Penso que não são de Coimbra. O melhor mesmo é enviar um mail para eles.

BrainDance disse...

Eu não tenho o mail deles, portanto quem tenha que trate disso.