segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

EXurban ou como os Einsturzende Neubauten ainda me arrepiam

Antes de começar esta minha primeira crónica aqui na BPF, gostava só de agradecer ao Braindance pelo convite pronto que me fez para colaborar por aqui. Posto isto aí vai.


Ainda sou novo nestas andanças das netlabels e como todos sabem é um mundo sedutor, belo e estranho. Vai daí comecei aqui e ali a conhecer algumas das portuguesas, e delas para a música.

Nestas primeiras investidas destaco um grupo EXurban. Conheci aqui e gostei muito, pelo conceito, espaços urbanos em decomposição, pela imagética, a fotografia dos espaços, hospitais, paredes com a tinta carcomida e por aí fora... e também como é óbvio a música cheia de ecos, passos, ruídos, silêncios, todos cautelosamente colocados. É uma música que arrepia, que pode ter um lado de filme de terror, ou de serial killer, mas também tem um lado que sinto poético. 

Esta música leva-me, e este é o maior elogio que posso fazer, para uma música dos Einsturzende Neubauten (para mim uma das melhores músicas de sempre) chamada Armenia, do álbum Zeichnungen des Patienten O.T. (a máxima "destruction is not negative you must destroy to build" se encontra escrita na capa deste álbum). Esta música é de facto um arrepio na espinha, e encontro nas EXurban traços das sementes aqui semeadas. ESCUTEM, os dois, não se vão arrepender.

A XS records editou um ep das EXurban. 

2 comentários:

ps disse...

elas tem um som fixe tem. e andavam muito activas a fazer mais som, agora mais ultimamente nem tanto, mas sei que transformaram o nome do projecto numa editora, tenho de ir escutar as edições um dia destes quando me apanhar com mais tempo livre.

BrainDance disse...

Gosto bastante do "Armenia", portanto vou tratar de aferir dessa comparação. ;)